Mar 01 2019

EB 2/3 Cego do Maio Abre a Porta às Palavra de Aurelino Costa

Ontem, a Escola E.B. 2,3 Cego do Maio “Abriu a porta às Palavras de Aurelino Costa”, a convite do Clube de Teatro “Inventão”.

Com Aurelino Costa, sobrevoamos aldeias com casas que deitam fumo pelas chaminés, entramos na sua escola de outros tempos, afagamos o gado por baixo dela, sentimos os cheiros do campo, planamos sobre ventos e conversas sussurradas dos vizinhos das casas e sorrimos às suas palavras. Regressamos, por fim, àquilo que somos. Inteiros, contudo mais iluminados, mais completos, mais “engrandecidos”.

Estiveram também presentes a escritora Sofia Teixeira, de Argivai, que nos falará dos seus Contos do Imaginário no dia15 de março e a atriz Diana Sá que dá apoia ao clube.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Durante a sessão o Dr. Aurelino Costa preparou uma surpresa a toda a plateia declamando um poema da Professora Fátima Veloso.

 

AURELINO COSTA, nasceu em Argivai, Póvoa de Varzim, em Dezembro de 1956.
É poeta e dizedor. Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Unidade de Coimbra, exerce advocacia.

Tem uma obra extensa e diversificada. A sua obra vai desde a produção poética, à narração, discografia, participação em filmes e documentários fílmicos.
Diz-se poeta da Terra embora o Mar espreite ao longe.
Fala-nos do gado, da lavoura e dos instrumentos agrícolas; do Tempo e da Morte; da sonolência e da preguiça do domingo; da infância e da Natureza.
Para o poeta Aurelino Costa:
“A escrita é fascinação. Começa por ser uma atração”.
“A Poesia tem o gozo da Palavra. Tem a metáfora e a alegoria”.
“A Poesia é um encontro, uma permanência – uma existência …. E ele gosta de existir nesse tempo”.

Sabemos que “Escreverá até morrer”.